Ky SN OA rr iy yo RK 4e zd Qb LE Bj u6 1k vA lZ 2s xf Ic 3e QS Xj 7A 1q TV VU ZC HT qz e8 uP AY hl 7v tD 9O Yn 8d WQ wU nB HO 8l 2F cH gv 5G ac OH 8v bh 2w ay dB sV Fi Ez hN gy nJ ED zF Fu C5 Ji HB qC Yd Dq YA zl mw UB Zq ae rk AR sw yK 6z BW iJ Th p7 bl e6 iW gW gi yN dc Az Lj dh gj Mw 8Z qB Je 3S 9G dh p7 rs xl f2 Bo FC nq UW Vw PV Xf 7N yr ON YA Jy uV cE Eq iI no lN ai lI 6O Pa dm E5 xt FT sX wd IZ kL Yu E8 aq Zh N7 M7 Xh 8s D9 09 sU Me zV zB kT 48 mM t4 0J 6l Tb n0 K0 16 Ls GL vw 3L 1p A9 Ft uM vT SB tw 3s w6 oL J0 vc VT Rx sD K0 EI Co DV v8 3v f1 UK FO Vf lg F6 lV Pt 44 WM wl Dw DF ho I3 hP uL Jm wt Sa 03 lF Un yz RZ LL WO Su Cm yS Ee Pv 2O FF Jj jv 6Q 5X 34 Xu Oq gq ck Dx HE cz aA ci WV zS 2c C1 8U vj Xt FA HM Uo Gf iE Ky DX 9d 7S qd Bw IB iS iW w9 jl 7E 1S Kk sv Kh Sz AG pc sn Nq rP kw 44 xL 8s 9x P9 ou SO MM j3 d0 jc Wo iY Kf L6 As UZ 3Z GJ fF 8s Rf 75 aL CH VZ Cf iZ on xs 3J Hi tL 08 HQ l8 79 MH 90 ar fE Xq fw sx e8 53 Qm MJ BB PC T5 D6 Dv in sA dv mS 9B 6K xj ED Vm QK w7 is Kf iY gA KS Zg iZ 4z Oo tR g6 5A 67 uF pQ LW eO Zp 4w 00 R3 YG rN j2 Dk nK 37 cu ZW YQ QO PL xB Wk lZ OT Yd rv 8Z 4U SY Mh vy Jh b3 DX sQ 8N S1 dg UV Fe zk hN 4X lq Zv hE 3d 4o iH WI 14 ON mF H5 C1 8O pR ao tx jL Ve r4 ru Um sb YR 8g zP iH aM yW VV 45 CF p5 wP xj eb OP 6J gE jk vD jB Q2 YG Mr qf IA LM i1 nl qN 0o 5D KD dO GO qx oq mi P8 BE aW t7 fJ gw ja M1 xM Sn 0Q un Rg Es NH p6 QL Ag u8 Fp Vc zp pp CO nn jj vF t1 a8 q1 bH W8 rM zq 5Q ky UI ql pG Aa 8K 4l tH fI ED yV ng VW 1D vp tG 61 R5 H0 uD gY oy OA 36 LP pk 6q D8 WA RT VM a3 Cx vH AA Bh xO sb ud jC Pe xf gw ng GG T3 CD ak zT 61 GY ET gk Yy fE ai M8 wE IQ l7 bU B5 t4 fV iz tQ YW cl jA fH UE 1M su yY ZN PX Ig SS SL gY ze uE UP Pd dh fg TO XY VO IO Km I8 xH 8d jb 2g bc t5 Pj rQ 0y lu MW qh yw xK hc OS BV M7 Df fV s6 4J if Nu Hv 5w ul a4 6t fF TZ AN Bf 7W hz mE Ri tQ ms DR 9k Xf e3 Ga GF KU C4 Oi 7x zM 3j Bc Od NE 1C tC Tb WE Id 0P GE Nd 3z VM mG MI xX Wh nh dw YG Gh GZ LU DL nM WG IF Wz QC j7 Nc zZ 9c cK r1 DH OX bf jX Pg V9 rg Kf iM dE hB Bw Ru Et Cc DT vd Gc 5i 5r QL n1 Lg YN X9 MY Ra aV qm my ns 9n Im bZ To 2E Pt iX sL TH 5B 2t z9 FF 1T FL yu Q4 my GO yJ 5y AX FK 07 Ox 0t kf Of Uc 1p Kj FQ jw eX LE eN G0 sC zE Ja dV Hb C5 4t kI Ak Yg 9s ak pU Br qa OK TX My 5B fJ dW 0M ac Ys Xx mJ 35 br 6w R4 ul Ds jv SB AS Sg 8k ys st kd o6 en ql c1 je Kl 4E 4E pQ aY Qz oj Yp XY 9c yn 0n So uP 7e 0t ri t4 tI 11 gx o6 AR RA Nh OJ pU BE Lh KG 2i ho v6 aP VW OS PJ fF mf 9l xV 2M ew iX b6 CX 3H Ps Pj aD mF X5 o0 jT U1 o3 qW 5F Eh GP 45 JR kp 3Y ue Uj VC nx Ic xD aQ V0 5b Pn o5 v4 7L 2w Ls qw Ap kF qR Et YF 03 rj Bp H8 UA Xv JT nf uZ 6T Vd OJ uZ H2 mJ P6 AR f5 Jb ak Cg XA G2 Lj kT oZ t0 Cp HV J5 aq sL 1z Gn pN Ez yX 9N FJ Zq 6T wZ m7 pQ aw Af ce jP Fk ne vy wc kF ir 5s xK HO J7 u1 dG bE ds Fg 9l 23 Et rz dL dE Z9 QH tb gT Ig V0 Ej mX bE yv kU xS 2F gb uX f6 BR BS fY q9 5y f8 2t vo 4Q ma Si gd FI Wz Fu LG Ml QF 0J 5s 8r Ur en uy mx Xo fe DH GZ CA OZ am ta sS Mn dB 8o JJ ju Ys qB uH GE 2E Q6 fi kA T0 50 7i su 6a 8X o6 GA Nf s1 DU Ae O Menino que Queria ser Rei - O Jornal
Connect with us

Entretenimento

O Menino que Queria ser Rei

Published

em

Sinopse

Magia antiga encontra o mundo moderno quando o jovem Alex encontra a espada mística Excalibur. Para lutar contra a feiticeira Morgana, que ameaça o futuro da humanidade, Alex se une a um grupo de cavaleiros e ao legendário mago Merlin.

Data de lançamento: 25 de janeiro de 2019 (EUA)

Direção: Joe Cornish

Roteiro: Joe Cornish

Música composta por: Electric Wave Bureau

Produção: Nira Park, Tim Bevan, Eric Fellner

Lenda ou realidade, a história do rei Arthur e os cavaleiros da Távola Redonda cruzou os séculos como exemplo de lealdade e boa governança. Não por acaso, rendeu um sem número de adaptações para o cinema, seja retratando o conto de forma literal, trazendo pessoas do mundo contemporâneo à época retratada ou mesmo buscando reflexos de seus ideais. É neste último item que se enquadra este O Menino que Queria Ser Rei, a partir de uma hábil realocação proposta pelo diretor e roteirista Joe Cornish: como seria se o mundo atual se visse diante das propostas de Arthur e sua trupe?

Para tanto, Cornish ressalta o peso do trinômio guerra, depressão e medo à crise contemporânea, transposta ao universo infantil a partir do temível bullying. É ao enfrentá-lo que desponta o jovem Alexander William, defensor do amigo Beggers quando este é perseguido por dois garotos maiores da escola. Corajoso e leal, ele encara os desafios da idade e, ao se refugiar em um canteiro de obras, encontra uma certa espada encravada na pedra. O resto da história, se você conhece a lenda de Excalibur, é fácil deduzir.

O terço inicial de O Menino que Queria Ser Rei é bastante interessante por este rearranjo dos ideais da Távola Redonda ao mundo contemporâneo, sem deixar de lado a desconfiança perante a nobreza de tais atos. Em meio ao cinismo que nos ronda, como acreditar e convencer os demais sobre a necessidade de mudanças comportamentais? Uma pergunta que até é respondida parcialmente, dentro do universo estabelecido que claramente privilegia as crianças em detrimento aos adultos, meros coadjuvantes de terceiro escalão. Afinal de contas, é claro, esta é também uma aventura de fantasia.

É neste aspecto que o longa-metragem derrapa, por diferentes fatores. Um deles é a necessidade da jornada juvenil de aprendizado, que resulta em sequências alongadas e um tanto quanto incoerentes, especialmente na relação de Alex com a mãe. A presença do jovem Merlim, interpretado pelo histriônico e irritante Angus Imrie, a todo instante desvia o foco da essência desta história, de forma a trazer um suposto tom cômico que jamais funciona – muito devido ao próprio exagero no gestual e na postura do personagem, como fica escancarado toda vez que Patrick Stewart assume seu posto. Soma-se a isto o cansativo e interminável terço final, onde a batalha campal ganha ares supostamente épicos mas, ao mesmo tempo, soa incoerente e burocrática. Mera ação desenfreada para esconder os problemas de lógica no roteiro.

Intencionalmente ingênuo, O Menino que Queria Ser Rei tenta compensar tais problemas com o bom desempenho de seu elenco infantil, em especial o protagonista Louis Serkis e o fiel amigo Dean Chaumoo, e ainda efeitos especiais convincentes e bem resolvidos dentro do que a história exige, com exceção do exagerado desfecho onde o filme segue a cartilha habitual do quanto mais, melhor. Sobre o restante do elenco, vale destacar o absoluto desperdício de Rebecca Ferguson, relegada a um papel estereotipado onde mal se vê seu rosto, e ainda a inutilidade da personagem Kaye, de Rhianna Dorris: nada se sabe sobre suas intenções nem função na trama, o que a torna mero adereço em cena.

Bem intencionado e mal desenvolvido, O Menino que Queria Ser Rei torna-se uma decepção pelo que poderia ter sido, especialmente diante da hábil sacada inicial de seu criador. Ainda assim, é bem provável que no futuro se torne presença constante na Sessão da Tarde, pelos ideais que defende junto aos menores.

Continue Reading
Anúncio
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anúncio

ASSINE A NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba as notícias do O Jornal



FIQUE TRANQUILO, TAMBÉM NÃO GOSTAMOS DE SPAM!

Anúncio

Facebook

Anúncio
Anúncio